Força, Chape. Muita força.

imageEu não sei muito bem o que escrever – mas não consigo ficar sem fazê-lo.

Estou acompanhando tudo o que posso desde hoje cedo, quando soube da terrível tragédia com o avião que transportava a Chapecoense.

É dolorido.

O impacto do ocorrido é tamanho que, confesso, sinto como se tivesse perdido alguém extremamente próximo a mim; aquele nó na garganta que cresce a cada linha de notícia lida, a cada manifestação solidária dos mais diversos lados – uma avalanche de consternação e incompreensão.

Destino? Tragédia? Azar? Sei lá. Mas também não importa muito.

Aconteceu, infelizmente, aconteceu.

A maneira como se deu a classificação contra o San Lorenzo, o êxtase ao fim do jogo, o protagonismo da Chape nos últimos anos é o que vai ficar, é o que precisa ficar. Assim como a emoção da entrevista do goleiro Danilo, no vestiário, feita por Vitorino Chermont e o êxtase da narração de Deva Pascovicci (ambos, também, vítimas desse acidente) da defesa do mesmo Danilo, também vai ficar.

Cada vez mais nos distanciamos de nossa humanidade e nos afundamos numa sociedade egoísta e simplista. Que com este colossal choque de realidade, saibamos reavaliar o que realmente importa e quem realmente importa na nossa vida.

Força, aos familiares dos jogadores, dos jornalistas e dos tripulantes deste fatídico vôo.

Que Deus os abençoe e os guie.

Imagem topo: Fox Sports Brasil

Compartilhe: