E aí, escrevo o que?

Sempre que eu abro o blog pra tentar escrever algo, inevitavelmente me vem à mente um trecho do Guardador de Rebanhos, do Alberto Caeiro (que eu tenho quase certeza que já postei aqui):

O que penso eu do Mundo?
Sei lá o que penso do Mundo!
Se eu adoecesse pensaria nisso.

Que ideia tenho eu das coisas?
Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma
E sobre a criação do Mundo?
Não sei. Para mim pensar nisso é fechar os olhos
E não pensar. É correr as cortinas
Da minha janela (mas ela não tem cortinas).

Porque escrever é dizer o que você pensa sobre qualquer coisa que seja – e às vezes eu penso tanto que, no final, não penso nada; acho tanta coisa que nem sei o que eu acho direito; quero dizer tanto mas não sei nem por onde começar.

Escrever é libertador demais, mas é, também, um tormento quando passa o trem do raciocínio, você não consegue entrar nele e observa as idéias passando pela estação.

Mas vamos lá. Mudei até o layout pra ver se muda a postura. Agora vai.

Vai?

Compartilhe: