Ah as horas indecisas em que a minha vida parece de um outro…

Ah as horas indecisas em que a minha vida parece de um outro… As horas do crepúsculo no terraço dos cafés cosmopolitas! Na hora de olhos húmidos em que se acendem as luzes E o cansaço sabe vagamente a uma febre passada. s.d. Álvaro de Campos – Livro de Versos . Fernando Pessoa. (Edição crítica. […]

Compartilhe:
Read more

Álvaro de Campos – sempre preciso. TABACARIA Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. Janelas do meu quarto, Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é (E se soubessem quem é, o que saberiam?), […]

Compartilhe:
Read more