Alê Flávio

"À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo"

Que sociedade?

Hoje, peço licença aos amigos leitores para escrever e compartilhar algo que sai um pouco do comum deste site. Obrigado. 🙂


 

We’re definitely not living in a post-racial society – and I can imagine that there are a lot of people out there wondering how much of a society we’re living at all

Jon Stewart

 

Vocês devem ter acompanhado a cobertura de duas mortes ocorridas nos Estados Unidos que geraram uma série de protestos e reações populares: os casos “Michael Brown”, ocorrido em Ferguson (Missouri), e “Eric Garner”, ocorrido em Staten Island (Nova York). Ambos tem em comum o fato que foram dois negros mortos por policiais brancos, além dos policiais terem sido, a princípio, inocentados de terem cometido qualquer ilegalidade ou exagero.

No primeiro caso, a “análise” do que houve é um pouco mais trabalhosa, pois é baseada nos depoimentos do policial, de testemunhas e nos resultados da perícia e afins; já no segundo, há imagens de uma câmera mostrando o que ocorreu.

Há duas grandes discussões levantadas aqui que estão gerando os protestos por todo o país, independentemente dos homens mortos serem culpados de qualquer crime ou não (roubo de cigarros/venda ilegal de cigarros, resumida e respectivamente): a reação exagerada e incompatível dos policiais e, principalmente, a questão racial. É um debate complexo, delicado e amplo e que não se difere muito do que acontece aqui no nosso país. Quantas vezes vemos casos similares aqui? Quantas vezes você – sim, você – não atravessou a rua quando notou uma pessoa negra vindo na mesma calçada que você? Quantas vezes, numa batida policial, o seu amigo negro foi o único a ser ameaçado de ir preso pelo homem responsável por nossa segurança (isso aconteceu comigo e não é historinha pra preencher meu texto, só pra constar)?

É claro que aqui estou me restringindo apenas a essa dicotomia branco/negro, mas podemos expandir essa discussão pensando, também, na camada mais pobre da nossa sociedade. É impressionante como em pleno ano 2014, ainda olhamos de maneira diferente para um moleque que vista roupas “ruins”; aliás, a própria definição de roupa boa/roupa ruim é um tanto quanto preconceituosa, prepotente e, porque não dizer, ridícula. Ou vai dizer que você nunca reparou em como seguranças de shoppings e lojas ficam quando pessoas que eles julgam potenciais marginais entram em seus estabelecimentos, ou como diariamente essas mesmas pessoas são acusadas de coisas que não cometeram?

É mais fácil acusar alguém que não pode se defender, não é? Lembram do filho do Eike Batista, que atropelou um ciclista e tal? Lembro que à época me chamou a atenção o fato de que, quem defendia o filho do empresário brasileiro, dizer que “no Brasil é errado se dar bem na vida”. É possível um debate riquíssimo só sobre essa afirmação mas, ressalto: não estou acusando nem inocentando ninguém, porém, é interessante notar o fluxo de argumentação no caso. O culpado de ser atropelado… foi o atropelado, mesmo ninguém tendo visto nada! Ninguém viu nada, mas tinham o seu culpado. É bem aquela coisa de que a culpada pelo estupro é a mulher, afinal, ela usa saia e decote e provoca isso mesmo (pausa pra vomitar).

Enfim, estou ficando prolixo… vamos às conclusões.

O racismo ainda acontece (alguém falou goleiro Aranha?) o tempo todo. Aqui, nos EUA, na Alemanha, na Lapônia… nossa sociedade ainda é preconceituosa e racista. Menos, talvez, que anos atrás, mas ainda é – e muito. Nós não entendemos a nossa sociedade, precisamos generalizar tudo e não entendemos que, às vezes, o criminoso é branco e mora nos Jardins e o cara correto é negro em mora na favela. Ou, se entendemos, selecionamos os argumentos mais convenientes na mesa do bar – quando isso é discutido na mesa do bar…

E por que resolvi escrever esse texto? Porque outro dia vi um vídeo do Jon Stewart (apresentador do programa americano Daily Show) comentando exatamente esta questão, após o policial do caso Eric Garner ter sido inocentado. Acho que ele conseguiu expor exatamente o que eu penso em relação a estas questões (neste caso, sobretudo, o lance policial branco / agredido negro) e gostaria de pedir a vocês que separem alguns minutinhos para ver o vídeo abaixo. Vale a pena.

Em tempo: agradeço imensamente à Bruna Picoli pela ajuda fundamental no desenvolvimento das idéias desse texto. Obrigado demais, Bru! 🙂

Abraços

Compartilhe:

1 Comment

  1. Gus Slemer

    09/12/2014 at 16:24

    E a elite que devia dar um bom exemplo é a primeira a demonstrar esse tipo de sentimento, num complexo de superioridade infantil, ou justificando o sistema de relação servil.

    E o povão vai como um bundão, na onda do racismo e da discriminação. Não têm a união, e não vêem a solução da questão, que por incrível que pareça está em nossas mãos.

    Precisamos de uma reformulação geral, uma espécie de lavagem cerebral.

    (Lavagem Cerebral, Gabriel o Pensador – 1993).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

© 2019 Alê Flávio

Theme by Anders NorenUp ↑