A minha ansiedade é uma coisa tão filha da puta que eu fico ansioso até pra escrever um texto sobre ansiedade. Como vou abordar o tema, se uso exemplos, se não uso, se reclamo, se acho um ponto de vista positivo… tá louco.

Enfim.

Ser ansioso é uma porcaria, meu caro. Mas como tudo tem um lado bom, de uns tempos pra cá venho tentando canalizar a ansiedade de uma maneira mais produtiva (vide este post aqui, onde tento ter uma visão romântica da ansiedade), tipo reaproveitar água da chuva em tempos de raciona… ops, desculpa, restrição hídrica.

Vou te falar que não é fácil e que o caminho é longo, o que gera mais ansiedade (é tipo um ciclo sacana. Certeza que alguém fica rindo disso de alguma sala de controle da vida humana). A ansiedade, por mais que não pareça, é um treco sério que mexe muito com a gente. Quem é ansioso sabe a força que este sentimento tem para nos assustar e, às vezes, nos deixar travados de medo.

O que não podemos é nos deixar vencer, deixar-nos entregar e deixar essa ansiedade virar uma coisa mais séria, um medo insano de arriscar, um medo de movimentar-se e evoluir – temos que nos esforçar pra sempre nos mantermos no controle da parada.

 

O lance é tentar utilizar a tua ansiedade pra ir em busca das coisas, girar a roda da vida, sabe? É tipo ganhar um super-poder e usá-lo pro bem, ou algo do gênero. Pra mim, trabalhar a ansiedade não é querer se livrar dela porque, combinemos, quem nasce ansioso possivelmente vai passar o resto da vida sendo assim; pra mim, trabalhar a ansiedade é saber como utilizá-la, quando ignorá-la, quando respeitá-la…

Até escrever um texto meio desabafático no próprio blogue é uma forma de apertar o botão de descarregar um pouco essa ansiedade.

Sou ansioso pra diabo, porque tudo o que eu mais almejo na vida é ser cada vez mais feliz – e quem não fica ansioso por ser feliz? 🙂

Abs

 

Compartilhe: